Área de Interesse Notícias
07 de fevereiro de 2014 Risco para a qualidade dos serviços laboratoriais
Pesquisa da SBPC/ML mostra que reajustes de operadoras são insuficientes

Os reajustes propostos pelas operadoras de planos de saúde não são suficientes para os laboratórios assegurarem a manutenção dos serviços oferecidos. Esta é a opinião de 85% dos laboratórios que responderam até agora a pesquisa da SBPC/ML sobre a situação dos contratos com as operadoras. Os outros 15% dizem que os reajustes asseguram parcialmente.

Para 67% dos que responderam, um percentual muito pequeno dos contratos (de 1% a 10%) está de acordo com as normas estabelecidas pela Agência Nacional de Saúde suplementar (ANS). As normas incluem cláusulas de reajustes a serem usadas se não houver acordo em negociações anuais.

Outra constatação da pesquisa é que 86% dos que responderam afirmam que a ANS deve mediar e regular os contratos. Entre as justificativas está a necessidade de manter equilíbrio nas negociações porque os laboratórios estão em desvantagem e sofrem ameaças de descredenciamento. Além disso, segundo a pesquisa, a participação da ANS seria importante para forçar as operadoras a respeitarem as regras estabelecidas pela Agência.

Lançada no dia 21 de janeiro no site da SBPC/ML, a pesquisa deve ser respondida online e é anônima porque não é preciso se identificar. Os resultados são importantes para as ações da SBPC/ML em defesa dos laboratórios.

"A SBPC/ML defende uma maior intervenção da ANS na regulação do setor através da contratualização, valorização por parte das operadoras da qualificação dos laboratórios, criação de regras claras e justas relacionadas às glosas praticadas pelas operadoras e o tão sonhado reajuste das tabelas de valores que permanecem sem aumento há aproximadamente 20 anos", diz o diretor de Defesa Profissional da SBPC/ML, Vitor Pariz.

Segundo ele, a falta de reajustes ocasiona queda na qualidade dos serviços e redução da rede assistencial, o que pode onerar ainda mais a cadeia de saúde em um curto prazo de tempo. "Os laboratórios estão muito pressionados operando, inclusive, com margens negativas", alerta o diretor da SBPC/ML.

A pesquisa consiste de sete perguntas. Em quatro delas, dependendo da resposta é aberto um campo em que o laboratório pode informar mais detalhes.


VOLTAR
Notícias Relacionadas
Master Diagnóstica é a nova parceira do NFFB - Novo Futsal Feminino Brasil
23/04/2021 saiba mais
Lançamento - Covid-19 Teste Rápido Antígeno Ag Abbott Panbio
01/10/2020 saiba mais
Consumerização da medicina: como aproveitar essa tendência?
08/07/2020 saiba mais
Nanotecnologia na saúde: como vem sendo aplicada?
08/07/2020 saiba mais
Telemedicina: tudo o que você precisa saber sobre o tema
08/07/2020 saiba mais
Para Dúvidas / Solicitações: ENTRE EM CONTATO